Carregando... Aguarde...

Newsletter


Sobre a Noz

NOZ DA ÍNDIA OU SEMENTE DA ÍNDIA

 Originária da América Central, é um arbusto ornamental, com flores amarelas, vistosas e perfumadas, dispostas em cimeiras terminais. Frutos drupas carnosas, pêndulos, triangulares, achatados, de cor roxo-negra quando maduros, contendo duas sementes grandes, trigonas, revestidas por endocarpo duro. Ocorre também a variedade leucantha de flores brancas ou róseas. 

 

A ingestão das sementes pode causar primariamente distúrbios digestivos como náuseas, vômitos e eritema das mucosas bucal e digestiva. Os distúrbios cardíacos graves são relatados apenas em casos de ingestão de mais cinco sementes de uma só vez. Prabahadankar et al. (1993) relatam que a dose fatal é de oito a dez sementes para os adultos e de cinco a oito sementes para crianças. A mortalidade por intoxicação acidental com Thevetia Peruviana é raramente citada na literatura. 

 

A toxidez do vegetal decorre principalmente da presença de glicosídeos cardíacos. A planta apresenta no mínimo cinco destes glicosídeos, alguns dos quais são similares à digoxina, cardenolídio extraído do gênero Digitalis (Scrophulariaceae) e de extenso uso terapêutico no tratamento de insuficiência cardíaca (Ellenhorn & Barceloux, 1988). Insuficiência cardíaca é o termo médico referente as situações onde o coração não está capacitado a manter as necessidades circulatórias do organismo. Existem diversas causas e formas desse fator, onde o uso terapêutico da digoxina tem ação de aumentar a força da contração cardíaca, é como se acelerasse o músculo para bombear sangue, quando bombeamento se torna ineficiente.

 

 

ALGUNS DOS SEUS BENEFÍCIOS DE ACORDO COM A MEDICINA POPULAR: 

 

Elimina gordura localizada; 

Combate celulite; 

Reduz os níveis de colesterol; 

Depurativo;  

Diminui a fome; 

Alivia a compulsão por doces; 

Regula o intestino, previne hemorroidas. 

 

CONTRA INDICAÇÕES DE ACORDO COM A MEDICINA POPULAR: 

Problemas cardíacos; 

Problemas urológicos; 

Problemas gastrointestinais; 

Problemas hepáticos;

Gravidez ou amamentação; 

Idosos; 

Crianças; 

Alérgicos; 

Portador de qualquer convalescência; 

Fazer uso com outros produtos de dieta ou medicação.

 

O USO DE NOZ DA ÍNDIA NA MEDICINA POPULAR COMO EFICIENTE AUXILIAR NA PERCA DE PESO E CONTROLE DA OBESIDADE.

 

É necessário conhecer alguns aspectos sobre a medicina popular e uso das plantas para o tratamento alternativo de algumas doenças.

 

"A história do uso de plantas medicinais tem mostrado que elas fazem parte da evolução humana e foram os primeiros recursos terapêuticos utilizados pelos povos. As antigas civilizações têm suas próprias referências históricas acerca das plantas medicinais e, muito antes de aparecer qualquer forma de escrita, o homem já utilizava as plantas e, entre estas, algumas como alimento e outras como remédio. Nas suas experiências com ervas, tiveram sucessos e fracassos, sendo que, muitas vezes, estas curavam e em outras matavam ou produziam efeitos colaterais severos. (...).

 

Entretanto uso de plantas com fins terapêuticos, sem orientação apropriada, é fator de preocupação que deve ser considerado pelos agentes sociais do setor de saúde, bem como por aqueles envolvidos na educação para a saúde, dada a incidência de espécies com registro de toxicidade e contraindicações de uso. Assim, como as plantas são remédios poderosos e eficazes, o risco de intoxicação causada pelo seu uso indevido deve ser sempre levado em consideração. A observância das dosagens prescritas e o cuidado na identificação precisa das espécies utilizadas podem evitar uma série de acidentes.

 

A falsa ideia de que tudo o que é “natural é bom” ou, mais especificamente, como indicado pelos entrevistados, de que “planta não faz mal à saúde”, deve ser esclarecida pelos profissionais de saúde. A partir do cruzamento das informações obtidas junto à população (...) com dados bibliográficos, pode-se averiguar que aproximadamente 80% das plantas citadas como de uso terapêutico, apresenta algum tipo de toxicidade ou contraindicação de uso. Vale salientar que esta porcentagem pode estar subestimada em virtude de não haver informação disponível para várias das espécies citadas. A ausência de informação não necessariamente significa ausência de toxicidade ou contraindicação, mas pode estar associada à falta de estudos a esse respeito.

 

Dentre as espécies com indicação de toxicidade ou contraindicação de uso, ressalta-se que aproximadamente 26% constam na literatura como abortivas e/ou não recomendadas durante a gravidez ou lactação, por exemplo: Erva-doce (Foeniculum vulgare Mill); Alecrim (Rosmarinus officinalis L.).” ( TOMAZZONI, Marisa I.; NEGRELLE, Raquel R. B.; CENTA, Maria de Lourdes. FITOTERAPIA POPULAR: A BUSCA INSTRUMENTAL ENQUANTO PRÁTICA TERAPÊUTICA. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v15n1/a14v15n1.pdf

 

No assunto de saúde mundial, a obesidade tem se destacado, com necessidade urgente de novos caminhos para soluções definitivas desse grave problema. Hoje a obesidade é vista pela Organização Mundial de Saúde como um mal crônico e crescente. Através de pesquisas, afirmam que a obesidade mata 2,8 milhões por Ano. Hoje, 12% da população mundial é considerada obesa. Os dados divulgados pela OMS alertam para o aumento das doenças não contagiosas ligadas à obesidade: diabetes, hipertensão arterial, doenças cardiovasculares. Elas representam 2/3 das mortes no mundo.

Quando procurado na medicina popular, alternativas de tratamento para a obesidade, surge algumas sugestões como a Noz da Índia, que de acordo com depoimentos é uma semente com importante ação emagrecedora.

 

São inúmeros as pessoas com obesidade, que já lançaram mão daquelas 'fórmulas ou coquetéis emagrecedores', que segundo depoimentos, pesquisas e relatos na literatura médica, os efeitos colaterais desses 'tais coquetéis' são devastadores, pois interferem no sistema nervoso central, viciam e causam grandes transtornos aos usuários, ultimamente o uso vem sendo coibido através de agentes reguladores da área de saúde. Ao ler numa bula os efeitos colaterais da maioria dos medicamentos, qualquer usuário fica assustado com as inúmeras informações sobre os possíveis efeitos colaterais indesejados e até mesmo de morte. 

 

Ao buscar informação sobre a toxidade das plantas, torna necessário avaliar os resultados positivos e negativos do uso, pois todo medicamento seja industrializado, químico, fitoterápico ou mesmo as planta usada na medicina popular, a dosagem, a forma de administração e uso interferem diretamente no resultado e também na toxidade, podendo até mesmo ser mesmo fatal.

 

O fator da toxidade torna-se evidente ao analisar uma substância muito comum no dia à dia da população, o paracetamol: Paracetamol é um fármaco com propriedades analgésicas, tem também efeitos antipiréticos. Atualmente é um dos analgésicos mais utilizados, porém é altamente perigoso para o fígado devido ao seu alto potencial hepatotóxico, se ingerido em altas dosagem pode levar a fatalidade. Veja mais informações disponível em:http://noticias.uol.com.br/uolnews/saude/entrevistas/2005/12/08/ult2748u82.jhtm

 

Tanto nos fármacos, como nos fitoterápicos, ou plantas medicinais, amplamente utilizadas na medicina popular, os efeitos colaterais vão variar de acordo com a espécie, dosagem, preparação, forma de ingestão, uso ou aplicação e metabolismo de cada usuário. Com a semente de Noz da Índia, não é diferente, existe a toxidade mas, também existe os benefícios divulgados através da medicina popular. Após estudos e coletas de dados, torna possível afirmar que a semente aclamada como rainha do emagrecimento e também como a fantástica semente que emagrece, é a Thevetia Peruviana, que apesar da toxidade, é amplamente usada para o emagrecimento, por orientação através da medicina popular. Muitos dos que vendem a Noz da Índia escondem o seu verdadeiro nome, talvez por precaução, ou mesmo por medo do marketing negativo feito sobre ela através da mídia. O emagrecimento através das sementes de Noz da Índia se dá pelo fato de que ela possui substâncias que aceleram o metabolismo, aumentam o fluxo intestinal, diminuem a absorção de gorduras e controla a retenção de líquidos.

 

A Noz da Índia (Thevetia peruviana), a rainha do emagrecimento é muito confundida com a Castanha da Índia, a rainha da circulação, (Aesculus hippocastanum), até mesmo vendido uma pela outra, pela semelhança, por falta de conhecimento e até mesmo má fé dos que comercializam, gerando prejuízos diversos aos que consomem.